<|-- -->
Amazonia<BR>Association
Amazonia
Association
Amazônia - Desenvolvimento Sustentável no Rio Jauaperí

Reserva Xixuaú.Xiparinã - Progetto Jauaperí - Saúde - Instrução - Electricidade Solar - Conexão Internet - Transporte - Conservação - Ecoturismo - Artesanato - Cooperativa - Pesquisa - Proieto Ariranha - Agricultura - Biodiversidade -

Mapeamento da Biodiversidade


amazonia.org
Homepage
Português - Italiano - English

23 de dezembro de 2013




Desde o Rio 92 Earth summit o mundo colocou grandes esperanças sobre o uso sustentável da Divercidade Biologica, afim, de promover o Desenvolvimento Sustentável nas Florestas Tropicais e ativar sua capacidade potencial, esta, uma poderosa Synergy Bewteen que pode aviar a redução da pobreza e conservação da Divercidade Biologica.


O projeto Mapeamento da Biodiversidade do Rio Jauaperi e em primeiro lugar um exercício de Desenvolvimento Sustentável, que aponta a instantiar o uso sustentável da biodiversidade para aliviar a pobreza e com esforço, mútuo, conservar a biodiversidade. Espécie, populações, habitantes, comunidades, ecossistemas e processos serão geo-localizados e documentados.


O mapa, resultante, transformará então a bacia do Baixo Rio Jauaperí em uma catalogada coleção in-situ de Germoplasma.

Esperando que será então possível :

  • Prover serviços para a agricultura mundial, dentro da estrutura do Novo Tratado Internacional sobre Recursos Genéticos de Plantas para Alimentação e Agricultura (FAO, 3 de novembro de 2001).
  • Contribuir ao desenvolvimento da agricultura sustentável na Amazonia.
  • Com um olho no redescobrimento da Permacultura de Floresta a qual, Concordando, com o acumulamento de evidência, parece ter sido praticada, extensivamente, antes da chegada dos europeus.


O conhecimento e a competência das comunidades indígenas e locais foram reconhecidas pela Convenção sobre Biodiversidade da ONU.
A Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica solicitou consideração por o conhecimento e a competência das comunidades indígenas e locais, defendeu sua aplicação e afirmou sua equivalência com a ciência moderna.


A Reserva Extrativista desenvolvida por Chico Mendes proverá a estrutura de apoio perfeita para o projeto.
A extração da floresta incluirá, portanto, também dados biológicos, artigo este, predito para estar em muita demanda no próximo futuro.


O projeto participa ao Ano Internacional de Observação de Biodiversidade 2001-2002 IBOY - uma iniciativa de DIVERSITAS.

Metodologia


Os mapas do GIS são povoados com informações obtidas de entrevistas com peritos das comunidades locais.


Expedições de verdade de campo são feitas para prover " verdadeiros " dados, testar a confíabilidade dos dados obtidos das entrevistas, e testar as capacidades preditivas do GIS.

Os dados coleccionados são registrados usando palmtops , máquinas fotográficas digitais, gravadores minidisc e Gps, todo o equipamento é sincronizado para prover dados correspondentes.

No retorno da expedição o equipamento será entregue ao departamento de Tecnologia da Informação, onde os dados colecionados serão carregados no banco de dados e no GIS.

A provisão será constituída para a presença de cientistas e técnicos do IBAMA, EMBRAPA, INPA e da Universidade do Amazonas.




Infra-estrutura na Reserva Xixuaú



  • eletricidade solar
  • conexão Internet 245 KBS 24 horas um dia
  • edificio escritório
  • LAN de Computadores , servidor Unix, servidor MS Windows ,
  • GIS para o Rio Jauaperí
  • imagens de satélite
  • database
  • inventários de Plantas e Animais
  • software GRASS , gstat,
  • maquinas fotográficas digitais
  • GPS
  • gravadores Minidisk



Estado atual do projecto


O estudo de viabilidade inicial, principalmente apontado a demonstrar a capacidade das comunidades tradicionais para executar o projeto, teve êxito.


O projeto foi pausado enquanto esperando pela criação da Reserva Extrativista do Baixo Rio Branco - Rio Jauaperi, um componente fundamental indispensável do projeto.


Assim que Presidente Lula decrete a criação da Reserva Extrativista nós pediremos a CGEN (Conselho de Gestão do Patrimônio Genético) as autorizações necessárias para ficar operativo.

   
Screen


Back to amazonia.org Home Page